[relato] Quanto?

Desculpa a pergunta, mas quanto você levou? Como você faz pra viajar tanto se não trabalha? Sua mãe envia dinheiro pra você?

Antes, durante e depois, essas e outras perguntas relacionadas a como eu mantinha meu mochilão, eram frequentes. Viajar dois meses pela América? Se engana quem pensa que sou ryca (com y pra dar ênfase). Afinal, durante alguns anos eu trabalhei, paguei contas em casa e ainda sobrava grana pra guardar no potinho “Mochilão”. E eu era estagiária, não dá nem pra falar que eu ganhava bem.

Milagre? Eu chamo de prioridades.

AFINAL, QUANTO?

Acredito que não há estilo de vida (muito menos de viagem) certo ou errado (contanto que não faça mal ao próximo), mas que cada um tem objetivos e tem que lutar para alcançá-los. O meu é conhecer o mundo, por isso abro mão de coisas (baladas caras, roupas todo mês, por exemplo) que pra MIM são dispensáveis pra poder guardar dinheiro para viajar. E, assim, consegui os r$1.000 (mil reais, tudo em espécie, não levei cartão) que estabeleci como suficiente para essa viagem – achei até que era muito. Além dessa grana, ganhei um pouco mais de amigos do trabalho e da família, mas já aviso que guardei para minha próxima aventura pelo Brasil (que já to planejando e começa em breve).

Já que eu ia de carona e não pretendia gastar com hospedagem, achei bacana levar esse dinheiro para comer e para tomar umas cervejas de vez em quando – afinal, não sou de ferro né?! Mas o que aconteceu é que nos 10-15 primeiros dias de viagem a ostentação foi tanta, que “perdi” r$400, ou seja, me restavam ainda uns bons meses de viagem com apenas r$600. O medo até bateu, mas passou rápido, afinal, conheço gente que viaja sem dinheiro algum.

COMO?

Confesso, viajar com pouco não é fácil. As vezes você quer tomar uma coca-cola gelada, comprar um engradado de cerveja, comer num restaurante bacaninha, dormir numa cama confortável e tomar banho num chuveiro quente – e não pode. “Pequenos luxos” (relativos em cada tipo de viagem) não matam ninguém, mas se você toda vez pensar “só hoje”, sua grana se vai e aí você vai ter que se virar… vai ter que comprar comida no mercado e cozinhar com fogueira&panela, trocar trabalho por hospedagem e até pedir comida. Lembro de um dia que troquei 200 pesos chilenos, na Argentina, por uma sacola cheia de frutas – apenas expliquei a situação pra dona do mercadinho e ela me ajudou. Por outro lado, viajando aprendi a administrar melhor meu dinheiro (não só durante as viagens) e, quando a grana tava bem no fim, aprendi a sobreviver – por exemplo no Chile, que vendi brigadeiro, entreguei panfleto e trabalhei com cerâmica pra levantar grana pra conhecer o deserto. Vergonha alguma! Lições pra vida.

esse era um dia daqueles em que eu só queria roupas limpas (todas estavam sujas), banho quente e uma cama confortável. mas na verdade eu tive água gelada saindo de um cano num cubículo protegido por uma cortina de plástico, que gruda no corpo. Faz parte!
registro de um dia daqueles em que eu só queria roupas limpas (todas estavam sujas), banho quente e uma cama confortável. mas na verdade eu tive água gelada saindo de um cano num cubículo protegido por uma cortina de plástico, que gruda no corpo. Faz parte!

ORGANIZAÇÃO & PLANEJAMENTO

Se viajar é realmente o que você quer, organize-se. Estabeleça uma quantia como meta e tente alcançá-la. Observe seus gastos mensais e veja aquilo que você pode – e quer – cortar do seu orçamento. Quando for comprar algo, pense “eu realmente preciso disso?”.

Outra coisa legal é fazer uma planilha com os possíveis gastos do seu mochilão. Dessa vez não consegui fazer isso – apenas calculei uma média de gastos diários com comida e coisas simples, como transporte público -, mas todas as outras em que viajei, fiz isso antes e depois (bem detalhadas) pra ter os gastos controlados e mostrar pra geral que é possível viajar com pouco sim. Na planilha de “antes da viagem”, eu sempre anotava o valor médio que eu gastaria com hostel, transporte – tanto para chegar até o meu destino, quanto para circular lá dentro -, média de gastos com comida – sempre pensando em comprar no mercado -, e um extra para passeios, cervejas e emergência.

VOCÊ AINDA QUER VIAJAR COM POUCO? TE AJUDO.

Abaixo, algumas dicas que aprendi mochilando&com outros blogs e que sempre me ajudam a economizar.

  • Hospedagem

Durante dois meses, paguei apenas três dias de hospedagem: um em Buenos Aires, num hostel; outro em um camping na Cordilheira dos Andes; e outro em Jujuy, num hotel bem fuleiro. O resto foi quase tudo usando:

Couchsurfingo queridinho dos mochileiros-sem-grana, é uma rede social em que pessoas do mundo inteiro (inclusive você) oferecem suas casas para que pessoas do mundo inteiro se hospedem ali – e não necessariamente você tem que receber gente na sua casa pra se hospedar na de outras. E você vai saber se a pessoa é confiável ou não através das referências que outras pessoas deixaram no perfil do seu futuro host (quem vai te hospedar). Minhas primeiras experiências com a página rolaram no Chile, agora em 2015, e foram ótimas! Além de ter uma cama ou sofá para dormir, você ainda conhece muito mais a cultura do lugar, pode receber dicas do que conhecer ali na cidade (fora da rota turística) e faz amigos pra toda a vida. Como você começa sem referências, é importante ter um perfil bem completo e com link de páginas que mostram que você existe mesmo e é confiável, como perfil no Facebook, blog pessoal etc. Dá uma olhada lá no meu perfil (e me add)!

Amigos de amigos: por que não postar no Facebook que está procurando hospedagem na cidade em que vai visitar? Foi assim que me hospedei na casa da Sofi, em Mendoza, e na casa do Henderson, em Buenos Aires. Ambos são amigos de amigos, que agora são meus migos!

eu e a Liz, da página Doces Aventuras, lavando a louça na casa da Sofi, em Mendoza. Não custa nada ser gentil, ne?! E no outro dia ainda fizemos bolo de cenoura com chocolate..nham!
eu e a Liz, da página Doces Aventuras, lavando a louça na casa da Sofi, em Mendoza. Não custa nada ser gentil, ne?! E no outro dia ainda fizemos bolo de cenoura com chocolate..nham!

Acampamento: você pode buscar um camping ou acampar ao ar livre, como eu fiz: armei a barraca em lugares como caçamba de caminhão, no meio de um acampamento de ciganos, na beira de um rio em San Pedro de Atacama, no quintal da casa de uma família, em postos de gasolina, na praia etc. Tranquilidade total – e de graça!

acampar perto de posto de gasolina
acampar perto de posto de gasolina

acampar em lugares feios como esse - Puente del Inca-ARG
acampar em lugares feios como na Cordilheira

Hostel: os famosos albergues, que trabalham com valores bem mais baixos que os hotéis. Possuem quartos privados ou compartilhados (já dormi em um com 12 camas), muitas vezes oferecem café da manhã e sempre têm cozinha pra você preparar seu rango. Você pode pagar ou tentar trocar sua estadia por trabalho. Sem contar os amigos do mundo inteiro que você vai ter, né?!

conexão brasil x japão
conexão brasil x japão

Workaway & WWOF: são sites que reúnem diversos lugares (hostels, ecovilas, fazendas etc) em que você pode trocar comida&hospedagem por trabalho. Porém, é necessário pagar uma taxa para o site. Nunca usei.

Airbnbtambém nunca usei, mas amigos já e me disseram que é ótimo pra você que vai acompanhado de mais pessoas e quer se sentir literalmente em casa. Pessoas do mundo todo alugam quartos ou casas completas pra você passar uns dias por um preço super acessível!

  • Transporte

Se vai de avião, tente comprar com antecedência e sempre fique de olho nos site das companhias aéreas nos finais de semana, sempre rola promoção. Para trajetos próximos, busque opções alternativas, como ônibus&trem.

Decolar.com: use para buscar as passagens mais baratas, mas não compre ali. Afinal, o site te cobra uma taxa por usar a ferramenta. Anote o dia e a hora da passagem que te agrada e compre direto no site da companhia aérea, vai sair mais barato.

Melhores Destinos: o site que reúne as melhores promoções de passagens aéreas; bomba aos finais de semana, quando as companhias aéreas fazem mais promoções.

Ônibus&Trem: dependendo da distância, vale a pena. E por que não comprar a passagem a noite e já ter garantida uma noite de hospedagem?

Carona Solidária: muito comum no meio universitário; a pessoa que possui um carro compartilha a data, hora, ponto de saída e de chegada e valor que vai cobrar pela viagem, que normalmente é só a divisão de gasolina&pedágio. Você gasta menos e ainda vai batendo um papo. Além de grupos no Facebook, como esse por exemplo, você pode tentar em sites como o Tripda.

mulher pedindo carona? vai ter sim. se reclamar, vai ter duas (ou quatro, no caso). Eu, Liz, Sofi e Mel (de dois anos) pedindo carona na Cordilheira dos Andes.
mulher pedindo carona? vai ter sim. se reclamar, vai ter duas (ou quatro, no caso). Eu, Liz, Sofi e Mel (de dois anos) pedindo carona na Cordilheira dos Andes.

Carona: vai lá…faz sua plaquinha, busca o ponto mais distante da cidade – ali na rodovia -, e ergue o dedão! É mais fácil pra quem não tem dias contados para uma viagem, já que viajar assim exige datas um pouco flexíveis, afinal você não sabe quanto tempo vai demorar para chegar no teu destino. Um site que pode te ajudar a encontrar um ponto bom pra isso, é o Hitchwiki.

  • Comida
vá ao mercado. além de economizar, você pode encontrar o amor!
vá ao mercado. além de economizar, você pode encontrar o amor!

Mercadão: mercados municipais, além de oferecerem pratos típicos da região, ainda oferecem preços baixos para os turistas menos afortunados. Menos em Santiago…lá os preços continuam caros até no PF!

Cozinhar: seja na cozinha do hostel ou na sua panela com fogãozinho ou fogueira, comprar coisas em feiras e mercados e cozinhar é uma ótima opção para economizar, ainda mais se está com uma galera e pode fazer aquela vaquinha (pode até rolar uma grana pro vinho!)

Troca: porque não tentar trocar seus serviços por comida também? Vai lá, conversa com o dono do estabelecimento! Mas ó, pode rolar de ajudar desde no atendimento à galera ou até lavando a louça, não vale reclamar!

Feira: em Jujuy, na Argentina, conheci uma galera que, no fim do dia ia para as feiras e pediam as frutas&verduras que não seriam mais vendidas. Se vocês soubessem o tanto de comida que vai pro lixo e que estão boas…

um ajudou com o macarrão, outro com o molho, uma senhor com o purê e um casal com o peixe. rango nota 10!
cozinha comunitária

pão com patê, o prato principal da noite
pão com patê, o prato principal da noite
  • Trabalhe

Você pode vender alguma coisa (artesanato, comida etc) ou buscar trabalho temporário em algum estabelecimento. Em Santiago, vendi os brigadeiros que preparei na casa do meu host do Couchsurfing. Em Valparaíso, por exemplo, eu abordei um menino que estava entregando panfletos e perguntei como conseguia um trabalho como o dele; conversamos com a chefe dele e, em 10 minutos, consegui o mesmo trampo. Ganhei uma grana enquanto observava o movimento e as pessoas (o que, particularmente, eu adoro) e ainda tinha tempo pra conhecer a cidade e aproveitar a praia de Viña del Mar, já que eu trampava 3h por dia.

fazer música pra ganhar uma grana
fazer música pra ganhar uma grana

Viu? Não é tão difícil, tampouco impossível – e muito menos estou falando que esse é o jeito certo de viajar. É só querer!

Advertisements

5 thoughts on “[relato] Quanto?

  1. Oi linda, tudo bom?

    Bem to adorando teu blog, e me inspirando pra fazer um tbm. Acho legal ter um local para escrever, organizar as idéias e tal.

    Bem, eu não tenho essa disposição para viajar mas to tentando entrar pelo workaway nessa aventura para estudar em B.Aires em Janeiro, um intensivo de espanhol.

    Muitas dicas úteis aqui, obrigada!

    1. Oi Monick!

      Que bom que chegou até aqui.
      Saber planejar o dinheiro pra sua viagem é realmente importante 🙂

      Eu ainda não tive experiência com o Workaway! Mas tô pra pagar a taxa e usar nos próximos meses.
      Se fizer um post sobre isso, compartilha comigo, vai?! hehehe

      beijão e boa sorte em BsAs! É um lugar incrivel.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s