[texto] saudade não é a alma querendo voltar

dizem [rubem alves disse, na verdade] que a saudade é a nossa alma dizendo para onde ela quer voltar. e eu sempre concordei.

a saudade que não tem tradução é aquele negócio que faz doer o peito, que faz a gente sonhar acordada e pensar em como tudo era bom.

eu achava mesmo que meu coração queria voltar pra alguns cantos, até o dia em que eu senti saudade de São Paulo. aquela minha cidade cinza, caótica, entre prédios e correrias que eu deixei pra trás há quase dois anos.

será que essa saudade é a vontade de voltar?

foi culpa do instagram que me trouxe uma foto do martinelli [no centro de São Paulo] e me fez pensar que não seria tão ruim assim voltar e morar no centro de São Paulo. muita cultura, muita música, muitas festas, perto do [antigo] trabalho..me pareceu uma boa ideia. me fez lembrar do tempo em que eu ocupava demais os museus da cidade, caminhava entre a Armênia e a Sé sem perceber o tempo passar e de quando eu visitava as pontas da linha azul como se elas fossem próximas.

o problema é que quando a saudade fala mais alto a gente esquece o que nos fez mudar os caminhos. a gente esquece do ônibus lotado, do cinza que engole a cidade e, principalmente, do que deixa a nossa alma feliz.

a saudade faz a gente esquecer o ruim e transformar o que era bom em incrível. mas, normalmente nem é tudo isso. é o combo da saudade e a inquietude pelo novo que faz a gente enxergar o passado assim. mas se o passado era tão bom, por que passou?

quando a saudade de tudo aquilo vier pra atrapalhar o tudo isso, desfrute.
sonhe acordada. lembre como era bom. lamente por não ter aproveitado mais.

mas, não esqueça do que te trouxe aqui e te fez deixar isso tudo lá.
lá no passado, que só a saudade consegue visitar.

isso vale para lugares e pessoas.
principalmente para pessoas.

Advertisements

[dicas] De CLT a Freela: como foi chegar até aqui?

Em 2016 eu decidi sair do mundo CLT para tentar a vida freela/autônoma. Muita gente [como eu achava] acha que trabalhar de casa é o paraíso. Muita gente acha que foi do dia para a noite que cheguei onde estou e não sabe nada sobre o caminho até aqui.

Por isso, decidi escrever sobre isso em detalhes – pra ajudar os curiosos e àqueles que querem deixar a CLT  em busca de mais autonomia.  Continue reading “[dicas] De CLT a Freela: como foi chegar até aqui?”

[relato] Parque Nacional do Itatiaia – Parte Alta

Em fevereiro/2018, eu e meu companheiro decidimos ir ao Parque Nacional do Itatiaia. Encontramos muitas informações na internet, mas sentimos falta de outras. Por isso, segue relato para auxiliar quem deseja conhecer o Parque e suas atrações.

Continue reading “[relato] Parque Nacional do Itatiaia – Parte Alta”

[diários] exercícios físicos e a libertação mental

EU NUNCA FUI DE EXERCÍCIOS FÍSICOS, MAS sempre gostei de testar um milhão de coisas. Aí, em certo momento da vida [+- 2015/2016], em que joelhos doíam muito porque eu ficava sentada o dia todo, eu decidi começar. Continue reading “[diários] exercícios físicos e a libertação mental”

[texto] NA VIDA, É PRECISO TER MAIS DE UM AMOR

isso mesmo, mas não tô falando de pessoas, to falando de tudo: nós precisamos amar mais de uma coisa-pessoa pra não desmoronar.

é muito lindo estar apaixonada por algo ou alguém, mas vamos supor que isso seja o centro da sua vida, ou seja, você ama isso MAIS DO QUE TUDO, sua vida gira em torno disso, seus sonhos são apenas com isso….

Continue reading “[texto] NA VIDA, É PRECISO TER MAIS DE UM AMOR”

[diários] 8 meses de “O Rio de Janeiro tem te feito bem, hein?!”

a cada vez que eu volto pra SP, a frase “nossa o Rio tem te feito bem” tem se multiplicado. Realmente, tô mais feliz, mais leve, mais bronzeada, menos inchada. É o Rio de Janeiro que tem me feito bem? Talvez, um pouquinho. O Rio tem tantos problemas & qualidades como qualquer outro lugar. Mas, acho que a principal culpada dessa melhora toda não é o Rio, nem a cachorra, nem o mozão, nem nada. Ela se chama: eu mesma. Continue reading “[diários] 8 meses de “O Rio de Janeiro tem te feito bem, hein?!””